PDF Imprimir E-mail

Asma - O que é?


   A asma é uma doença perfeitamente controlável, mas que ainda hoje, apesar dos avanços da medicina provoca danos à qualidade de vida das pessoas, podendo em alguns casos levar à morte. É uma doença muito comum - calcula-se que 10% da população brasileira tenha asma e, no entanto, pouco conhecida, gerando preconceitos, mitos e crendices a seu respeito.

   A asma é mais comum na infância mas ocorre em qualquer idade, podendo-se iniciar no adulto ou até mesmo no idoso. Este livreto destina-se à pessoas com asma pois quanto maior for o conhecimento, maior será a facilidade em lidar com as crises. A informação é a chave para adquirir o controle da doença.

   Pessoas modernas e esclarecidas querem preservar sua saúde e melhorar sua qualidade de vida. É possível controlar a asma e viver a vida com alegria, sem medos ou limitações desnecessárias!


O QUE É ASMA?

   A asma é uma doença de origem genética e que se acompanha de uma inflamação crônica dos brônquios. Os brônquios inflamados reagem com mais facilidade a vários estímulos, como por exemplo: poeira, gripes, mudança de temperatura, exercício físico, etc. com prejuízo à passagem de ar e provocando sintomas - falta de ar, sensação de aperto no peito, chiado, tosse e cansaço.

   Sabe-se que a inflamação dos brônquios continua mesmo quando se está fora da crise. Por isso, é muito importante manter o tratamento mesmo quando se está bem - fora de crise.
A asma é também conhecida como bronquite, bronquite asmática, bronquite alérgica.


COMO A ASMA APARECE?

   A asma é uma condição genética ou seja, hereditária. Mas não é só isso: para que a asma surja, é preciso ter a predisposição genética e estar exposto a uma série de fatores ambientais como poeira domiciliar, vírus (gripes), poluentes, etc., chamados fatores desencadeantes ou "gatilhos". Por isso, evitar ou controlar os "gatilhos" é muito importante para reduzir as crises e, consequentemente controlar a asma.


Fatores agravadores da asma

   Sabe-se que alguns fatores podem agravar a asma e variam de pessoa para pessoa. Os principais fatores são:
   Alergia: No Brasil, é rara a asma causada por polens, sendo mais frequente a sensibilização à poeira domiciliar e aos ácaros ambientais, que ocupam posição de destaque como provocadores de sintomas alérgicos. Os ácaros são seres microscópicos que habitam a poeira de casa. No Brasil citam-se pelo menos sessenta espécies de ácaros, em especial: dermatophagoydes pteronissimus, dermatophagoydes farinae, blomia tropicalis, acaros de estocagem. Desenvolvem-se predominantemente em climas úmidos e moderadamente frios, sendo suas fezes as principais causadoras da asma (bolotas fecais).

   A sensibilidade aos antígenos da barata - em especial a Blatela germânica e a Periplaneta americana tem sido estudada como importante alergeno em residências, principalmente entre populações urbanas carentes.
Animais domésticos, em especial o cão e o gato podem atuar como desencadeantes de crises, não apenas em função do pêlo, mas também da saliva e urina desses animais.

   Mofos ou bolores são constituídos por fungos, sobretudo do grupo Aspergillus, Alternaria, Penicilium, Cladosporium, podendo ser encontrados no ambiente domiciliar

   Infecções: Alguns tipos de infecções respiratórias, em especial aquelas causadas por vírus (por exemplo: gripes ou resfriados) são importantes gatilhos de crises. Outras infecções crônicas, como as sinusites podem provocar crises.

   Exercício: Algumas pessoas asmáticas podem apresentar crises após exercícios físicos, como a corrida e o futebol, necessitando de medicação específica.

   Irritantes: A inalação de fumaças, perfumes, odores ativos, ar frio, poluição, gases podem irritar a via respiratória e provocar asma.

   A inalação passiva de fumaça de cigarro é uma grande causa piora de crises de asma. A fumaça de cigarro é extremamente irritante para a mucosa respiratória do asmático.

   Substâncias no ambiente de trabalho: A asma pode advir de substâncias inaladas em ambiente de trabalho, com ou sem mecanismo alérgico associado. Observe: se você melhora da asma nas férias ou feriados prolongados, é provável que seu ambiente de trabalho seja um fator desencadeante na sua asma.

   Fatores hormonais: o exemplo clássico é a asma da grávida. Citam-se também casos mais raros com pílulas anticoncepcionais ou ainda, casos relacionados com o período menstrual ou a determinados hormônios.

   Medicamentos: a asma por determinados remédios é mais comum em adultos, não sendo obrigatória a história de episódios anteriores da doença. Citam-se a asma por aspirina, por determinados antiinflamatórios, betabloqueadores, entre outros.

   Refluxo gastro-esofágico: é um processo patológico onde há regurgitação do alimento ingerido do estômago para o esôfago, levando ao surgimento de esofagite e em alguns casos atuando como causa de crises de asma

   Aspectos emocionais: Embora não possa ser considerada uma "doença nervosa", a asma relaciona-se intimamente com os aspectos emocionais do doente, podendo surgir crises nos momentos de stress. Por outro lado, a continuação crônica da doença pode deixar o paciente mais ansioso, atuando sobre seu psiquismo.


APRENDA A COMBATER OS FATORES AGRAVADORES DE SUA ASMA:


ALERGIA: COMBATE À POEIRA E AOS ÁCAROS

  • Travesseiros e colchões devem ser recobertos com capas impermeáveis ou com plástico (napa)
  • Limpeza da casa diária, com pano úmido, na ausência do alérgico
  • Evite vassouras e espanadores
  • Evite desinfetantes e produtos de limpeza com odor forte. Dê preferência às pastas, e sabões em pó para a limpeza de banheiro e cozinha
  • Evite tapetes, carpetes, cortinas e almofadões no quarto de dormir. Escolha pisos laváveis e cortinas do tipo persianas ou de material que possa ser limpo com pano úmido
  • Coloque camas e berços afastados da parede
  • Roupas de cama devem ser lavadas uma vez por semana - se possível, com água quente
  • Evite animais de pelúcia e estantes com livros no quarto
  • Roupas raramente usadas devem ser lavadas antes do uso

MOFOS

  • Mantenha a casa arejada e ensolarada.
  • Combata o mofo e umidade, principalmente no quarto de dormir. Focos de infiltração ou de vazamento devem ser reparados.
  • Verifique periodicamente as áreas úmidas de sua casa como banheiro (cortinas plásticas do chuveiro, embaixo das pias etc.), cozinha e porões para evitar o aparecimento do mofo.

ANIMAIS

  • Evite ter animais de pelo (cães, gatos) em casa.
  • Se você já possui um animal, deve ser mantido fora de casa e lavado toda semana. Não deixe que entre no quarto de dormir ou suba em camas e sofás.

BARATAS

  • Combata o aparecimento de baratas no ambiente de casa
  • Mantenha a casa limpa, evitando acúmulo de lixo com restos de alimentos. Os ralos devem estar tampados.
  • Fazer uma dedetização periódica - sempre na ausência do alérgico.

INFECÇÕES VIRAIS: GRIPES, RESFRIADOS:

  • Evite contato com pessoas gripadas.
  • Evite locais fechados e aglomerações.
  • As vacinas antigripais estão indicadas para pessoas com asma
  • Vacina contra pneumonia é indicada para idosos asmáticos.

EXERCÍCIOS FÍSICOS:

  • Não deixe de fazer o exercício só porque você é asmático.
  • Avalie se você está realmente bem antes de realizar o exercício.
  • Realize exercícios de aquecimento antes do início do esforço
  • Oriente-se com seu médico: faça uso de medicação prévia, se necessário.

AGENTES IRRITANTES

  • Não fume nem deixe que fumem junto ao alérgico
  • Evite sprays com "cheiros" ou "saches" no quarto de dormir
  • Evite produtos com cheiro ativo para seu uso ou para limpeza da casa.

FATORES HORMONAIS

  • Observe se há piora dos sintomas no período menstrual.
  • Se você pretende engravidar, procure controlar sua asma o melhor possível
  • Comunique seu médico para que ele possa escolher a melhor medicação

MEDICAMENTOS

  • Comunique ao seu médico se estiver fazendo uso de medicamentos, em especial aspirinas, antiinflamatórios ou betabloqueadores (para controle da pressão arterial) que podem causar asma.

REFLUXO GASTRO-ESOFÁGICO

  • Não beba ou coma no espaço de duas horas antes de ir para cama.
  • Evite alimentos condimentados, bebidas alcoólicas e derivados da cafeína (chá, chocolate e bebidas tipo "cola")
  • Use medicamentos preventivos, se necessário.


HÁBITOS SAUDÁVEIS

   Procurem ter uma alimentação saudável, vida ao ar livre, fazer caminhadas. Esportes podem ser praticados!


CRISES DE ASMA?

   Durante a crise, o interior das vias respiratórias fica inchado, os músculos que envolvem os brônquios ficam contraídos, o processo inflamatório se agrava e ocorre uma grande produção de muco (catarro).

   As pessoas tendem a chamar de crises apenas quando estão em estado mais grave da doença. É importante entender que quanto mais cedo uma crise for reconhecida e tratada, menor dano causará.
Por isso aprenda:

  • Mesmo os sintomas leves já constituem crises.
  • Os sintomas podem ser diferentes de pessoa para pessoa.
  • Aprenda a reconhecer os sintomas iniciais e logo procure tratamento.
  • Se a crise piorar reconheça os "sintomas de alarme" e procure atendimento de emergência.

O ANÚNCIO DA CRISE:

   Sensação de peito "preso", pigarro insistente ou tosse aos esforços, quando ri ou chora, cansaço ou chiado leve

O QUE FAZER?

   Procurar identificar se existe alguma causa específica para os sintomas e, sendo possível, procure afastá-la. Inicie o uso da medicação já indicada pelo seu médico (em geral, um broncodilatador inalado: em spray ou sob forma de nebulização) Observe a evolução da crise e informe o seu médico LEMBRE-SE: quanto mais cedo você tratar, menor a possibilidade da crise piorar!

PIORA DA CRISE:

  •    Pouca melhora com a medicação de alívio.
  •    Cansaço intenso, respiração ofegante, lábios e unhas azulados,
  •    Dificuldade para falar. Além disso, a pessoa não consegue deitar-se: costuma ficar sentada, apoiada no espaldar da cadeira.
  •    A medida do PFE está muito baixa ou nem mesmo é possível realizar sua técnica de medida.

ATENÇÃO: Procure imediatamente atendimento em Pronto Socorro ou Serviço de Emergência.


O QUE FAZER NA CRISE:

Em primeiro lugar, é importante que o paciente esteja bem orientado sobre as crises e permaneçam calmos.

  • Sendo possível, procurar saber a causa dessa crise e afastar o motivo.
  • Iniciar medicação já orientada pelo médico para estes casos
  • Ficar em lugar tranquilo, procurando distraír-se
  • Exercícios de relaxamento poderão ser úteis.
  • Telefonar para o médico e colocá-lo a par da situação
  • Observar a evolução da crise

COMO JULGAR MELHOR A GRAVIDADE DA CRISE

   A sensação de falta de ar é muito subjetiva e, portanto, difícil de ser descrita. Algumas pessoas só sentem a falta de ar quando estão com uma obstrução grave, enquanto outras se apavoram aos seus primeiros sinais. Por isso, medir o sopro ajuda muito. Utilize um medidor portátil (medidor do Pico de Fluxo Expiratório - PFE ou em inglês: Peak Flow) que tem fácil manejo e pode ser usado no consultório ou em casa - serve para medir a velocidade com que o ar é expelido dos pulmões.

   Na crise de asma, há uma dificuldade na passagem do ar. Sendo assim, os valores do PFE caem, sendo esta queda proporcional à gravidade: numa crise leve, a queda do valor do PFE é pequena, enquanto nas crises moderadas e graves, é mais acentuada.

   Existe uma tabela com os valores considerados normais, de acordo com a idade, sexo e outras características de cada pessoa. No entanto, o ideal é fazer várias medidas por dias seguidos e obter o melhor valor para ela. É o chamado melhor valor pessoal (MVP).


TÉCNICA PARA MEDIR O SOPRO:

  • Ficar em pé e segurar o aparelho sem tocar no marcador
  • Encher bastante o peito de ar
  • Colocar o aparelho na boca (fechar os lábios firmemente em torno do bocal)
  • Soprar rápido e forte
  • Ler na escala do aparelho o número marcado
  • Repetir três vezes e anotar o melhor resultado


INTERPRETANDO A MEDIDA DO PICO DE FLUXO (Peak Flow)

Pode-se classificar o PFE em três categorias codificadas por cores. As cores destas três categorias têm o mesmo significado das luzes de um sinal de trânsito:

  • PFE entre 80 a 100% do seu melhor valor: Verde significa: Está tudo bem: mantenha seus cuidados habituais
  • PFE entre 60 e 80% do seu melhor valor: Amarelo significa: Cuidado. Use o medicamento com ação rápida e fale com seu médico
  • PFE abaixo de 50%: Vermelho significa Pare ou Perigo. Procure um hospital ou setor de emergência

MEDIR O PFE SERVE PARA:

  • RECONHECER O INÍCIO DE UMA CRISE
  • RECONHECER SUA PIORA
  • SABER SE HÁ NECESSIDADE DE MUDAR A MEDICAÇÃO
  • AJUDAR A CUMPRIR O PLANO DE AUTO - AJUDA

O TRATAMENTO DA ASMA

   Para tratar asma, é fundamental atuar sobre as causas da doença. Por isso, o tratamento deve incluir:

  • Controle adequado do ambiente e dos fatores desencadeantes
  • Condicionamento respiratório
  • Vacinas - nos casos indicados
  • Conhecimento dos remédios para alívio e preventivos.


O TRATAMENTO DA ASMA DEVE SER MANTIDO TODOS OS DIAS, COM OU SEM SINTOMAS.

MEDICAMENTOS:

   Os medicamentos indicados para o tratamento da asma podem ser incluídos em dois grupos:
Medicamentos para alívio de crises: são os chamados broncodilatadores. Atuam relaxando os músculos dos brônquios e assim melhorando a passagem do ar. Estes remédios atuam apenas no momento da crise, mas não tratam a causa da asma. São:

  • Broncodilatadores de ação curta
  • Anticolinérgicos
  • Xantinas: aminofilina, teofilina
  • Corticosteróides sistêmicos (orais ou injetáveis)

   Se você está usando muito o remédio de alívio, é sinal que a sua asma não está bem controlada: converse com o seu médico. O seu plano pode estar precisando de mudanças.

Medicamentos para controle da asma ou preventivos: são remédios que atuam na inflamação dos brônquios. Diminuem a inflamação e, portanto atuam sobre a causa básica da asma. Estes medicamentos devem ser utilizados todos os dias, de forma contínua, mesmo na ausência dos sintomas São:

  • Corticosteróides inalados
  • Antagonistas de leucotrienos.

Dúvidas sobre medicamentos...

BOMBINHAS FAZEM MAL AO CORAÇÃO?

   Não. "Bombinhas" não fazem mal ao coração. São remédios seguros, de efeito rápido e com menores efeitos colaterais do que os xaropes e comprimidos, pois atuam diretamente sobre as vias respiratórias que estão afetadas pela doença. Podem ser utilizadas sem problemas em pessoas com outros problemas de saúde como hipertensos, diabéticos ou mesmo em grávidas, desde que sejam utilizadas da maneira correta e sob orientação do médico. Nem toda bombinha é igual. Existem bombinhas apenas para atuar nas crises (para alívio, como os broncodilatadores) e outras que servem para prevenir sintomas (antiinflamatórias). O uso regular dos sprays preventivos diminui a longo prazo a inflamação dos brônquios, levando a uma melhora geral da doença. A melhor maneira de usar remédios para a asma é por via inalada.

O QUE É CORTISONA?

   Cortisona é o nome comum para todos os medicamentos pertencentes ao grupo dos corticosteróides. É um medicamento usado há mais de trinta anos, e desde a sua descoberta reduziram-se os dados sobre a gravidade e mortalidade de asma. A cortisona é indicada de maneira imperativa nas crises fortes e graves. Acredita-se que uma das causas do aumento da mortalidade pela asma seja o medo de iniciar-se a cortisona deixando que uma crise possa piorar e complicar-se.

   Atualmente já se dispõe de "bombinhas de cortisona" (antiinflamatórias) que atuam nos períodos entre as crises, prevenindo os sintomas agudos, com um mínimo de efeitos colaterais.
A cortisona atua diminuindo o processo inflamatório que causa as crises. O retardo no uso da cortisona é a principal causa de morte pela asma.


VACINAS PARA ALERGIA

   A alergia é um fator desencadeante da asma na maior parte dos asmáticos. As vacinas utilizadas no tratamento da asma atuam diminuindo a sensibilidade a certos agentes provocadores das crises (antígenos) que são impossíveis de serem retirados da vida do alérgico, como por exemplo, a poeira de casa e os ácaros.

   Apesar das medidas de controle ambiental, alguns asmáticos necessitarão também de usar vacinas específicas para tratamento da doença. O tratamento com vacinas é prolongado, utilizando-se injeções periódicas subcutâneas com doses crescentes do antígeno.

CONDICIONAMENTO RESPIRATÓRIO DO ASMÁTICO:

  • Fisioterapia respiratória,
  • Correção de alterações posturais,
  • Prática orientada de atividades físicas.

PLANO DE AUTO - AJUDA NO CONTROLE DA ASMA:

   Um plano de auto - ajuda ou plano de ação ou plano de tratamento é um conjunto de medidas elaboradas em comum acordo entre o médico e o paciente, mas para uso pelo próprio asmático. Contém instruções práticas:

  • Como falar com seu médico
  • Medicamentos para uso contínuo
  • Medicamentos para uso se a asma piorar
  • O que fazer em casos de emergência.

   As orientações mudam de acordo com a medida obtida do PFE e são classificadas por áreas (verde, amarela, ou vermelha). Cada uma das seções do seu Plano de Ação descreve o que deve ser feito, dependendo da leitura do seu PFE.

   Se você não possui um medidor de PFE, seu plano será elaborado baseado nos seus sintomas.

   Qualquer pessoa com asma deve ter um Plano de Ação para a Asma. Se você não tem um, peça ao seu médico para ajudá-lo a desenvolver um. Tenha o seu plano sempre à mão para eventuais necessidades.


O PLANO DE AJUDA É UM PLANO PERSONALIZADO DE TRATAMENTO. SÓ VOCÊ PODE UTILIZÁ-LO!

SINAIS QUE INDICAM QUE A ASMA ESTÁ MAL CONTROLADA:

  • Você sente necessidade de usar a medicação de alívio com mais frequência
  • O efeito da nebulização ou do spray é curto e os sintomas não melhoram
  • Você não dorme bem ou já acorda chiando
  • Dificuldade em cumprir suas tarefas diárias.

O QUE FAZER?

  • Reavalie seu plano de ação
  • Entre em contato com seu médico

COMO AJUDAR NO TRATAMENTO?

   Qualquer tratamento só terá sucesso se o paciente colaborar com o médico. Cabe ao médico informar, educar e orientar sobre a doença e a medicação adequada ao seu caso. A sua participação no tratamento da asma é fundamental e não deve limitar-se a cumprir as prescrições médicas, mas sim "trabalhar" com ele. Relate suas queixas, suas dúvidas, ansiedades e medos, o que você gosta e não gosta no tratamento: juntos, você e seu médico vão achar a melhor forma de controlar a asma.

  • Tenha uma vida saudável: estimule a vida ao ar livre, pratique esportes, divirta-se, saia com amigos. Esconder-se não ajuda no tratamento!
  • Pratique exercícios: oriente-se com seu médico.


Atue em parceria com o médico: controle a asma para que a doença não controle sua vida!